quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

Pedro (Augusto) Botelho

Essa é uma lembrança diária para mim. Pedro, meu filho, protagonista de um dos maiores arroubos de minha vida. Adriane tinha acabado de parir. Ligo para o Celso Martins, o bigode, meu amigo jornalista de Floripa. Nessa época morava no Tocantins. Lembro que certa vez, na redação do Mais Antigo (jornal O Estado - de Florianópolis), Celso me chega com um livro empoeirado e todo amarelo. O dedo dele apontava para a página 147:

_ Olha aí, olha aí, um dos codinomes do capeta é Pedro Botelho!


Dei de ombros, já que pela fama (e os atos também) viviam me chamando de Diabotelho, e disse na lata dele:


_ Pois vou batizar meu filho, quando tiver, de Pedro Botelho.


Ele desafiou:


_ Duvido!


Pois com Pedro nos braços, ligo para o Celso:


_ E aí rapaz, meu filho nasceu e...


O cara me interrompe.


_ Seu maluco, não vais me dizer que tu botou o nome dele de Pedro Botelho!


_ Pois sim, tô com a certidão na mão. Só que a Adriane colocou Augusto no meio, nome de anjo para equilibrar. Também é uma homanegem ao avô dela.


Celso deu uma risada, soltou um ó lhó, lhó, e me deu os parabéns.


Hoje, seis anos e meio após o telefonema, Bigode deve estar botando pela primeira vez o bago dos olhos no guri. Garanto que vai dizer para a Adriane:


_ Eu avisei!!!


Pedro é uma pessoa muito especial, cheio de amor e de vida. Olhem só a cara dele na foto.

Um comentário:

*Adriane ** disse...

Foi a coisa mais linda que tu já fez... esse menino lindo... amos vocês dois demais...