quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Em Brasília, um setor só para a sacanagem

Fiz essa matéria aí para a Playboy. Publicaram na edição da Siri do BBB. Mas sabe como é, revista sempre dá aquela cortada básica no texto por falta de espaço. Acho que vale a pena publicar aqui no blog a íntegra da entrevista com o ex-vice governador do Distrito Federal sobre sua idéia de criar um putódromo em Brasília. Lá vai:

No Distrito Federal, quase tudo possui um lugar definido. Tem setor hoteleiro, de indústrias, de autarquias, de motéis, de garotas de programa...Ops!, esse aí não é oficial, até porque elas se infiltram e fazem sucesso em quase todas as outras áreas. O que “as meninas” não sabem é que, se depender do administrador da cidade satélite de Taguatinga, essa permissividade está com os dias contados. Envolto com o avanço da prostituição na região que abriga mais de 245 mil habitantes, Benedito Domingos, evangélico, 73 anos, tem a solução para frear o "problema": quer criar o Setor de Diversões Norte, local onde "a sacanagem" será liberada com segurança. A Playboy bateu ponto em Brasília e foi conversar com o ex-deputado federal, ex-vice-governador do Distrito Federal e idealizador deste novo espaço democrático da capital federal.

O senhor tem enfrentado várias reclamações sobre o avanço da prostituição em Taguatinga. Já encontrou uma solução para essa situação?
Minha proposta é construir o Setor de Diversões Norte. Botar ali as boates, os clubes, uma praça para os namorados, um drive-in, os pequenos hotéis rotativos, posto de saúde, posto policial, enfim, o governo dar toda a assistência.

E as reclamações vêm de onde?
Vem das famílias, de quadras residenciais. É constrangedor. Mulher fica abraçando homem, sentando em banco, as vezes em situação assim...com a roupa muito escandalosa. Tem também o assédio. Passa homem e é assediado. Também ocupam as paradas de ônibus. Passa os carros e elas fazem sinal. A solução é encarar a realidade e criar um setor próprio de diversão. Quem quer se divertir vai para lá.

Já tem um projeto concreto para isso?
Nós temos uma idéia e levamos ao governador (José Roberto Arruda - DEM) que deu uma sinalização mais ou menos favorável. O governo faz a infra-estrutura, asfalta direitinho e as pessoas constroem. Primeiro temos que liberar os terrenos, que ficam a mais de três quilômetros do centro da cidade.

Dá para incluir a obra no Plano de Aceleração de Crescimento (PAC) do governo Lula?
Olha, eu não sei se dá, mas não é uma coisa tão difícil de ser feita não. Eu vou acelerar mais a nossa proposta. Porque aí (a prostituição e o lazer noturno) ficam fora do "arraial".

Colocando tudo no mesmo lugar fica mais fácil controlar?
É. E depois é um local próprio. Vai lá quem quer. Não é possível uma pessoa que não aceita certos tipos de comportamento, como a prostituição, ter que conviver com aquilo. E lá não, vai ter um ambiente, uma praça bem bonitinha, bem feita, iluminada. E outra parte ali mais “escurazinha”, um drive-in para a pessoa parar o carro, namorar, coisa e tal...

Para as “meninas” ficaria mais seguro?
Sem dúvida. Elas teriam muito mais liberdade de trabalhar. A pessoa que quer ter seus encontros vai saber que aquele local é mais livre para ela agir do que dentro da cidade.

Não corre o risco de chamarem de putódromo?
Não, não (rindo). Isso aí não vamos mudar não. É Setor de Diversões Norte. Ali vai ter muito divertimento, que não é só nesse sentido de bordel. Vai ter clube de dança, boate...lá o barulho pode correr.

A idéia então é encarar o problema de frente?
Tem que encarar, senão não adianta. Lá (na administração) chega abaixo-assinado, o "senhor tem que mandar ver". Mandar ver como? Não pode mandar prender ninguém. Até adultério hoje não é mais crime. Então acabou. As coisas estão mais liberais, mas não pode ser liberal no centro da cidade.

E o senhor tem o apoio das "meninas"?
Olha, eu não consultei as "meninas", nem vou. Se consultar elas fogem (risos). Mas vamos tocar a idéia. Você sabe que o ambiente chama. Isso é um chamariz. Você constrói uma grande boate e esse tipo de divertimento vai junto. É normal que vá, a pessoa procura.

Vai que as meninas até gostem e digam que o senhor é o "Benedito entre as mulheres"...
Não, não põe isso aí não (risos). Aqui tem cidade do automóvel, cidade das indústrias...Então vai ter uma cidade do divertimento.

2 comentários:

Suzanne Valadon disse...

"Até adultério hoje não é mais crime" foi de matar. Ótima entrevista, Botelho.

Blog do Botelho disse...

Suzane, que legal que tu gostou. Entrei no teu blog e no flog. Estão bem legais. De uma coisa tenho certeza: Tu é bem mais bonita do que a Suzanne de Toulouse-Lautrec. Vou adicionar nos meus links.